17abr 19

HARMONIZANDO CHOCOLATE COM CERVEJA

Se você assim como eu ama cerveja e chocolate vai ficar feliz em saber que esses dois amores são um par perfeito. Muitos não sabem, mas chocolate não combina só com frutas e sobremesas, para quem não abre mão do pão liquido, o mestre cervejeiro da Ashby, Alexandre Vaz, listou quais são os estilos de cerveja mais indicados de acordo com o sabor do chocolate:

Confira abaixo, a lista:  Continue lendo

Por .
08abr 19

WORKIN ‘MOMS: A SÉRIE DE MÃES PRIVILEGIADAS QUE TAMBÉM SOFREM

A primeira vez que ouvi falar em “Workin ‘Moms”, foi em uma evento de tecnologia voltado exclusivamente para mulheres. Eu não fazia ideia que essa série  fazia parte do catálogo da Netflix.

“Workin ‘Moms” gira em torno de um quarteto de mulheres que retornam ao trabalho após o período de licença maternidade. O humor ácido aborda temas como depressão pós-parto e aborto, ao mesmo tempo, destacando os desafios realistas da amamentação, imagem corporal, ligação com o bebê e culpa de mãe. Claro que, as personagens principais são todas privilegiadas e com uma vida financeira estável, sorte que muitas hoje em dia não tem.  Continue lendo

Por .
03abr 19

MÃE DE PRIMEIRA VIAGEM: A MONTANHA RUSSA QUE É A MATERNIDADE

 

Não, não sou mãe e não tenho planos à longo prazo de ter filhos, embora a maternidade compulsória e a sociedade me digam o contrário. Mas acompanho a saga de muitas mulheres que pensavam como eu e ressignificaram suas vidas após se tornarem mães.

Você sabe que sua vida está prestes a mudar para sempre quando está esperando seu primeiro filho, mas é quase impossível saber exatamente como as coisas serão diferentes. Isso provavelmente porque, tanto quanto a maternidade é sobre fazer mudanças logísticas (olá, nova rotina de sono!), também é sobre fazer mudanças emocionais específicas para você e seu bebê. Continue lendo

Por .
01abr 19

TIRINHAS HUMORADAS DESENHOS E CAFÉ

https://www.instagram.com/desenhosecafe/

 

Lavírnia Dantas tem 21 anos, mora no Piauí e é altora do perfil Desenhos e Café, uma página de tirinhas irônicas que retratam as situações vividas por ela no dia-a-dia e que fazem parte da realidade de muitaaa gente.

A ilustradora freelancer criou o perfil quando estava em um momento bem difícil. “Sofria bullying e a única coisa que me salvava daquilo eram meus desenhos”, conta. Continue lendo

Por .
21mar 19

SE NÃO TEM PARA TODAS NÃO TEM PARA NINGUÉM

Você já viveu a experiência de entrar em uma loja de maquiagem, ficar de frente com prateleiras repletas de produtos? Dar de cara com diferentes cores de sombras, batons, pincéis e todos os itens de beleza que deixa muita mulher doida para estourar o cartão de crédito? Ou então, acessar um site e encontrar todos os produtinhos dos sonhos, dos mais baratos até as marcas mais caras, ficar navegando por horas, colocando os itens desejo no carrinho, mesmo que nem fosse finalizar a compra depois… Pois é, quem ama maquiagem sabe como essa experiência de testar ou descobrir novos produtos é algo que faz parte do nosso dia a dia.

No entanto, para mulheres negras essa experiência pode se tornar um verdadeiro pesadelo devido a dificuldade de encontrar produtos que atendam as suas peculiaridades, por exemplo,, ao entrar em uma perfumaria acaba sendo natural evitar o espaço dedicado para maquiagem, só para não passar pelo stress de não encontrar uma cor de base que atenda a sua pele.

Maquiagem é vista por muita gente como algo fútil, de menor valor entre tantas questões que envolvem a vivência das mulheres negras. Mas quando olhamos com atenção a dificuldade de se encontrar bases para peles retintas podemos perceber a sutileza do racismo estrutural – onde empresas ignoram a existência do público negro como consumidor – e, entender como isso afeta a autoestima de milhares de mulheres no nosso país. Então percebemos que não, maquiagem não é futilidade quando se fala como a representatividade afeta a forma que mulheres se enxergam em nossa sociedade. Continue lendo

19mar 19

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR: QUANDO PROCURAR UMA NUTRICIONISTA?

Fim de ano sempre somos motivados a repensar nossa trajetória e almejar novos desafios, né? Na minha listinha de metas de 2018 me propus a colocar em prática diversos planos pessoais, entre eles, retomar o cuidado com a minha saúde. Muita coisa aconteceu,e entre horas extras de trabalho, freelas, maratonas de séries e os preciosos momentos de sono consegui agendar o famigerado check-up anual. As consultas com as médicas de especialidades, como clínico geral e endócrino, não foram muito boas. Descobri que estou com colesterol ruim e alto índice de açúcar no sangue, o que me fez correr para uma nutricionista e embarcar em um novo desafio pessoal: reeducação alimentar.

A saga para colocar a saúde nos trilhos rendeu uma consulta muito instrutiva e acolhedora com a nutricionista Mariane Bruno, que me orientou sobre as mudanças necessárias na minha alimentação e estilo de vida, itens essenciais para melhorar o resultado dos meus próximos exames. Além disso, ela atendeu, gentilmente, as nossas principais dúvidas sobre reeducação alimentar e o seu papel nesta fase de adaptação. Continue lendo

13mar 19

DANÇA DO VENTRE E A AUTOESTIMA FEMININA

Controle dos movimentos do corpo, quadril para um lado, quadril para o outro. A dança do ventre exige concentração e equilíbrio e rende uma experiência de autoestima e bem estar. A dança do ventre sempre me despertou curiosidade, até mesmo por explorar a sensualidade da mulher através de gestos e movimentos do quadril, braços e pernas. Mas até então, nunca tinha tido a oportunidade de fazer uma aula… Mais precisamente, até quinta-feira passada, quando entrei em um estúdio de dança pela primeira vez e pude aprender os passos da base da dança.

Diante de um espelho imenso, música árabe e um lenço de quadril com diversas miçangas e pedrarias coloridas, fui sendo instruída a realizar diversos passos em sequência, que exigiam muita habilidade da minha parte – já que sou bem desengonçada – e que no final me encheu de orgulho, resultando em uma vivência muito divertida. Continue lendo

11mar 19

RACISMO: CONHEÇA OS DANOS EMOCIONAIS E COMO TRATAR

Nas últimas semanas fomos impactados por diferentes notícias interligadas por um único tema: Racismo. Houve a morte de um jovem negro por um segurança de supermercado, no Rio de Janeiro; Um empresário foi agredido e expulso de um banco por um segurança, em Salvador; Outro supermercado foi acusado de associar uma mulher negra a vassoura, no Paraná; A MC Carol fez um desabafo sobre sua infância e vivência e a cantora Raquel Virginia presenciou um caso de racismo em um shopping de São Paulo e relatou nas redes sociais.

Todas essas situações foram amplamente divulgadas, causaram debates e indignação nas redes sociais e, algumas delas, até geraram protestos. No entanto, o que é pouco discutido é o resultado emocional do racismo estrutural e cotidiano que os negros sofrem diariamente, que pode desencadear danos emocionais, baixa autoestima e até mesmo depressão. Para falar deste assunto, conversamos com a Nancy Del Ramos, psicanalista adepta da terapia corporal bioenergética, e que também atua com a psicologia preta com foco em descolonizar o inconsciente e promover a autoestima e consciência corporal da população negra. Acompanhe:     Continue lendo

08mar 19

RECEITA: MACARRÃO VEGETAL

Desde que comecei minha reeducação alimentar, tenho diminuído e MUITO o consumo de carboidrato, e tenho investido em opções mais saudáveis como o macarrão vegetal feito com abobrinha. Eu não colocava muita fé quando me deparei com a receita, mas desde que experimentei tem sido uma opção no meu cardápio. Confira a receita, abaixo: Continue lendo

Por .
28fev 19

VIDA DE JUDOCA COM A ATLETA IRATI MAFFRA

 

Conheci a Irati Maffra quando comecei a praticar jiu jitsu, na época a Cross Figthers, academia onde treino havia iniciado uma modalidade especial para mulheres. Mal sabia eu na época que a atleta de 40 anos, faixa marrom de “jiu”, é na verdade faixa preta de judô e bi campeã brasileira da modalidade.

Outro ponto surpreendente é que quando você conhece a Irati como a atleta dedicada, nem imagina que ela é também bacharel em tecnologia mecânica com licenciatura em matemática. Uma mulher de muitos talentos que teve que enfrentar o preconceito por ser mulher praticando um esporte majoritariamente masculino. “O preconceito já começa em casa. Ninguém te apoia (porque não é coisa de menina) no máximo às pessoas aceitam. Eu particularmente tive um pouco de dificuldade quando era adolescente por ser normalmente a única menina nos treinos. Além disso em família, nunca pude cogitar a possibilidade de seguir carreira na área. Acredito que se eu fosse homem poderia ter sido diferente”, ressalta. Continue lendo

Por .