28nov 13

Vida de… indecisa

Me inspirei no post da Andressa, pra falar um pouco do que eu faço. Na minha imaginação já fui veterinária, já fui médica, já trabalhei com hotelaria, todas as profissões que a mente de uma criança é capaz de inventar. Foi aos 15 anos que eu tomei a decisão mais definitiva (até aquele momento) da minha vida, eu seria jornalista.

Quando a gente entra na faculdade acha de verdade que vai mudar o mundo, mas as coisas não são assim. Eu não era a melhor aluna da classe, nem era a queridinha dos meus professores, acho até que eles me achavam tapada. Mas sempre dei o meu melhor, confesso que algumas vezes eu ligava o botão de F!@#@#@#, ops!

Durante meu trajeto trabalhei em um site de futebol, assessoria de imprensa, empresa de food service, mas foi em uma agência de social media que me encontrei. Criar conteúdo pra páginas na internet, interagir com o público, criar um planejamento estratégico pra atingir quem você quer é além de divertido, enriquecedor.

Por alguns momentos da minha vida eu me questionei se ser jornalista era algo que eu realmente queria ser.  Dizem que o maior tesão de um jornalista é cobrir uma guerra, mas particularmente eu não vejo dessa forma. Admiro muito esses profissionais que vão para países em guerra e dão a cara a tapa. Mas a verdade, a grande verdade é que muitos que escolhem essa profissão se limitam a entrevistar fontes por e-mail ou telefone e a ficar reescrevendo notinhas de portais gringos para publicar no site e conseguir audiência. Sim, isso acontece até mesmo em grandes empresas como Globo e Abril.

Posso classificar minhas duas profissões sendo: jornalista (de formação), social media (por vocação). Não existe uma faculdade para planejamento estratégico em redes sociais, o que mais se aproxima disso são as áreas de comunicação (publicidade, relações públicas, jornalismo). Se você quer realmente trabalhar com isso deve pensar fora da caixa e se manter atualizado, não só sobre os memes mais comentados da internet, mas com cursos que possam te dar uma boa base de análise de conteúdo.  Lembre-se a internet é bem mais profunda do que pessoas postando loucamente em suas timelines, com ela é possível decifrar padrões de comportamento.

Por isso pensem bastante antes de escolher um caminho, ele vai ser o grande divisor de águas na sua vida.

Qual é a vida profissional de vocês?

Por .

Comente pelo Facebook

Comentar