19set 16

Ladeira abaixo: uma reflexão sobre términos de namoro

Seria possível compreender aquele momento derradeiro antes do fim? Aquele momento em que percebemos onde tudo está errado no relacionamento antes de chegar ao ápice do “não me sinto mais feliz com você”?

mulher

E se percebemos, será que queremos mesmo consertar? A pergunta que não quer calar é: dá pra consertar o inconsertável?

Estavam lá todos os sinais, as brigas, a falta de paciência, o sorriso inexistente. Tudo gritava: alerta vermelho! E eu cismando em ignorar.

Entre nós tudo aconteceu muito rápido, a paixão, o fogo, as noites de sexo ardente. Que nos meses consecutivos se tornaram apenas boas lembranças. Me sentia como aqueles homens que olham pro próprio parceiro feito um pedaço de carne. Sentia falta do tesão, do suor, da penetração. Me sentia descompensada e um pouco arrasada por não entender as justificativas, que eram sempre acompanhadas de um “claro que o problema não é você”, “estou sem cabeça”, “são tantos problemas”. Por meses me senti insuficiente, mesmo recebendo olhares, elogios e convites de outros homens. Não era eles que eu queria na minha cama, era você. Que mesmo dormindo ao meu lado era só a sombra do que um dia já foi. E sabe de uma coisa? Você tinha razão, o problema não era eu.

O problema era o que me tornei em todos esses meses pra você, a “chata” que só sabe falar de arrumar a casa. A “rancorosa” que ficava de cara fechada depois de ser insultada enquanto você já tinha superado, a pessoa que você “suportava”.

Finalmente entendi, o mundo tá cheião de gente e com certeza uma galera estará disposta a estar com você e vai curtir você pelo que você é (mesmo!). Não tem nada de errado com quem você é, então ache as pessoas certas pra você, em vez de tentar ser a pessoa certa pras outras pessoas.

Por .

Comente pelo Facebook

1 Comentário

  1. Cenystro

    21/9/2016 às 14h04

    Realmente, uma situação bem complicada.
    Mas no fim tudo ruma para o ponto certo.

    Responder

Comentar

Protected by WP Anti Spam