15ago 12

Distúrbios intestinais da mulher

A FBG Federação Brasileira de Gastroenterologia, com apoio da Danone Research realizou um estudo intitulado SIM BRASIL – Saúde Intestinal da Mulher, que apontou que 67% das mulheres sofrem de problemas intestinais, em todas as regiões do país e em todas as classes sociais. Isso significa que todas nós passamos por isso, mas não procuramos ajuda e muito menos comentamos isso com outras pessoas, justamente por conta de todo um tabu que existe em torno do assunto.

Homens e mulheres lidam de formas diferentes com o intestino, enquanto eles sempre tiveram a liberdade para fazer suas necessidades a qualquer hora e em qualquer lugar, as meninas são educadas a não exporem suas necessidades. É o caso de mulheres que relatam que não conseguem ou tem vergonha de ir ao banheiro se não for o de sua casa (todo mundo conhece alguém assim), simplesmente pelo fato de não querer dar sinais de suas necessidades. Essa forma de prolongar frequentemente a ida ao banheiro faz com que o cérebro entenda que essa função não é tão necessária e manda sinais ao órgão de que não precisa “funcionar” com frequência.

Quais são as principais causas dos distúrbios intestinais?
Segundo o Estudo SIM Brasil, as maiores causas declaradas de problemas do intestino são maus hábitos alimentares, problemas emocionais (estresse e ansiedade) e estilo de vida – a correria do dia a dia faz com que as pessoas realizem escolhas alimentares equivocadas, comam muito depressa, passem muito tempo sentadas e não tenham tempo de usar o banheiro.

Quais são os distúrbios intestinais mais comuns?
Gases, inchaço, sensação de peso abdominal e constipação.

As entrevistadas que relataram sofrer de constipação, por exemplo, relacionaram o problema a tensões emocionais, por causa do emprego ou de problemas familiares e a sentimentos de vergonha e constrangimento por usar o banheiro fora de casa – porque acham o cômodo sujo, por ter medo de ser perturbada ou por achar que outras pessoas vão perceber o que ela está fazendo.

Então, se vocês sofrem desse distúrbio, assumam que tem algo errado com vocês e vão a um médico regularmente, mudem a alimentação, façam exercícios!

Por .

Comente pelo Facebook

Comentar