01abr 16

Como a internet nos deixou mentalmente preguiçosos

cerébro

Estava eu ​​na internet quando me deparei com uma publicação sobre o Quintandinha Bar, li o texto e cai no “desabafo” da jovem queixosa e acabei compartilhando em um impulso emocional.

Conversando com um amigo percebi que não me dei ao trabalho de checar se a história era verdadeira, tomei o que a moça disse como verdade absoluta e fui mais uma das milhares a se posicionar a favor dela sem ao menos tentar entender mais profundamente o que havia acontecido.

Não estou aqui para debater o mérito da questão. Me incomoda o fato de que eu formada em jornalismo, heavy user de internet e trabalhando no meio publicitário simplesmente não tive o crivo de checar os dois lados da moeda.

E me incomoda mais ainda o fato de que esse não é um problema somente meu.

Certa vez li uma chamada que dizia “Pesquisar no Google faz as pessoas se sentirem mais inteligentes”, mas isso não comprova que a pessoa tenha conhecimento de fato sobre o assunto.

O “Google Effect” (Ou Efeito Google) esta cada vez mais comum, pesquisas inclusive já mostram que o acesso ilimitado à informação faz com que nossos cérebros retenham cada vez menos dados. Ficamos preguiçosos. Em algum lugar dentro da nossa cabeça está o pensamento “eu não preciso memorizar isso, é só pesquisar no Google quando eu precisar”.

As redes sociais se transformaram em uma espécie de vaso sanitário onde as pessoas vomitam suas opiniões muitas vezes sem refletir sobre o assunto.

O que percebo é uma tendência das pessoas juntarem várias informações compatíveis com seus pensamentos, dessa forma elas acabam reproduzindo conteúdos e ideias sem análise alguma sobre o motivo pelo qual concordam ou não com eles.

Acho, inclusive, que esse é um dos motivos de tanta desavença nas redes sociais, o receptor não entende a motivação do outro em torno do conteúdo que está sendo replicado.

Por isso quero deixar a seguinte reflexão: O que você compartilha nas suas redes sociais traduz bem sua linha de pensamento?

Por .

Comente pelo Facebook

Comentar