Smartrevista

Posts publicados na categoria Smartrevista

27dez 13

Race na academia

 

Já contei em outro post como me senti a vida inteira em relação ao meu peso, e em novembro resolvi me mexer e mudar, mas não mudar por um mês, tempo que sempre durou minhas mudanças, mudar de verdade. Eu faço musculação e diversas aulas na Academia Califórnia, o legal de estar em um lugar tão completo é que uma das opções que mais gosto são as aulas de Race.

Eu conversei com o preparador físico Marcos Gomes pra poder explicar pra vocês um pouco mais sobre essa aula maravilhosa.

Viviane Lima: Qual a finalidade do Race?

Marcos Gomes: A finalidade do Race é emagrecer, tornear os membros inferiores(pernas), e aumentar seu condicionamento físico.

Viviane Lima: Quem pode praticar?

Marcos Gomes: Todo e qualquer aluno pode fazer a aula de Race, tanto iniciante, intermediário ou avançado.

Viviane Lima: Quem não deve praticar?

Marcos Gomes: Depende muito do tipo de patologia que você pode ter, na maioria das vezes a aula em si ajuda na recuperação por fortalecer a musculatura.

Viviane Lima: Precisa ter algum tipo de preparo antes de iniciar?

Marcos Gomes: Não precisa ter nenhum tipo de preparo, pois a aula te condiciona.

 Viviane Lima: Qual a roupa adequada?

Marcos Gomes: Sempre roupas leves, shorts, regatas, tops e tecidos finos.

Viviane Lima: Qual a média de caloria que se perde com a aula?

Marcos Gomes: Cada aula tem seu gastos, 30 minutos de aula tem o gasto de 400 calorias e 45 minutos tem o gasto de 720 calorias, mas isso dependente muito do estímulo do próprio aluno durante a aula.

Viviane Lima: O que acontece com o corpo durante a prática de Race?

Marcos Gomes: Durante a aula tem uma dilatação dos seus vasos sanguíneo e consequentemente tem um aumento dos batimentos cardíaco e você gasta mais calorias.

Viviane Lima: Que dica você da pra quem quer iniciar mas tem medo de não conseguir fazer?

Marcos Gomes: Toda aula que você vai fazer você sente medo por ser a 1 aula, você tem que ter coragem e avisar seu professor que você é novo na aula. Uma frase que digo sempre é: VOCÊ PODE TUDO AQUILO QUE VOCÊ QUISER.

Por .
13ago 13

#Smartrevista: Banda Summer

Depois de entrevistar o Japinha do CPM22, foi a vez da Banda Summer, eles que estão decolando e conquistando o coração das meninas em todo Brasil.  Eles também abriram o show da banda Paramore. Mas, pra quem não conhece a banda é composta pelos integrantes: Marcelo Ferraz, Milton Pavão, ou Maps , Rodrigo Marques e Alexandre Bispo ou Xande.  Eu conversei com cada um deles pra descobrir do que eles gostam e quais bandas influenciaram no estilo musical da banda.

Marcelo

 Nome completo: Marcelo de Araújo Ferraz

Idade: 24

Signo: Leão

Aniversário: 29/07

Comida preferida: Pizza

O que curtiria ganhar: Alguma Coisa do Blink 182

Viviane Lima: Como surgiu a ideia dos integrantes criarem uma banda?

Marcelo Ferraz: Já nos conhecíamos, formamos a banda e deu certo!

Viviane Lima: Quem é a personalidade que você mais admira?

Marcelo Ferraz: Mark Hoppus.

Viviane Lima: O que mudou na vida de vocês depois de ficarem conhecidos?

Marcelo Ferraz: Ficamos conhecidos, não sabia!!! rs.

Viviane Lima: Como está o coração?

Marcelo Ferraz: A procura de novas aventuras e muito enrolado como sempre!!

 Xande

Nome completo: Alexandre Bispo

Idade: 30

Signo: Peixes

Aniversário: 05/03

Comida preferida: Temaki do Kyodo

O que curtiria ganhar: Coisas para carro.

Viviane Lima: Como surgiu a ideia dos integrantes criarem uma banda?

Xande: De forma natural, nós sempre gostamos de música, nos conhecíamos e decidimos formar a banda.

Viviane Lima: Quem é a personalidade você mais admira?

Xande:  O cara que mais admiro, não só por ser o maior baterista, mas por ser um grande artista e homem de negócios é o Mike Portnoy.

Viviane Lima: O que mudou na vida de vocês depois de ficarem conhecidos?

Xande:  Pra mim não mudou muita coisa, porque sou um cara bem normal, sem extravagâncias. Só preservo minha vida familiar e tenho que ter mais responsabilidade com as coisas que faço, tem mais gente de olho em mim agora.

Viviane Lima: Como está o coração?

Xande: Eu sou casado, resolvido e muito feliz!! rsrsrs

Maps

Nome completo: Milton Alberto Pavão dos Santos Filho

Idade: 26

Signo: Aquário

Aniversário: 14/02

Comida preferida: Pizza

O que curtiria ganhar: Um Opala 6cc coupe, preto nada de mais 😉

Viviane Lima: Em quais bandas você busca referências?

Maps: Blink 182, Green Day, NOFX, NUFAN, LagWagon, Metallica, Hank III… muito difícil resumir.

Viviane Lima: Você acha que com a fama as pessoas se aproximam por interesse?

Maps: Não necessariamente por interesse, às vezes rola, mas geralmente acreditamos que é por admiração que algumas pessoas querem estar mais perto.

 Viviane Lima: Quem é a personalidade que cada um de vocês mais admira?

Maps: Jhonny Cash.

Viviane Lima: Você namoraria com uma fã?

Maps: Claro, por que não?

Viviane Lima: O que uma mulher precisa ter pra conquistar você?

Maps: Carisma e paciência.

Viviane Lima: Quais os planos para o futuro da banda?

Maps: Tem algumas musicas novas saindo do forno, então o plano é grava-las, liberar pra geral e tocar, tocar, tocar e tocar mais um pouco.

Rodrigo

 

 Nome completo: Rodrigo Marques Amorim

Idade: 23 anos

Signo: capricórnio

Aniversário: 23/12

Comida preferida: japonesa

O que curtiria ganhar: os números da mega-sena rs

Viviane Lima: Quem é a personalidade que você mais admira?

Rodrigo: São tantos, mas acho que em particular; James Hetfield,Stevie Ray Vaughan e Dexter Holland.

Viviane Lima:Você acha que com a fama as pessoas se aproximam mais por interesse?

Rodrigo: Isso é comum, sempre vai ter aquela prima distante que nem se quer sabia o seu nome e pessoas que estudaram com você aparecendo.

Viviane Lima: Como está o coração?

Rodrigo: Acho que calmo e alegre ao mesmo tempo.

Viviane Lima: Você namoraria com uma fã?

Rodrigo: No momento não estou pensando em namorar, mas se acontecesse não vejo problemas em namorar com uma fã.

Viviane Lima: O que uma mulher precisa ter pra conquistar vocês?

Rodrigo: Entender que o trabalho exige muito de você e tentar demonstrar menos ciúmes.

Por .
13jun 13

#Smartrevista: Japinha do CPM22

Bem meninas, ele não é apenas baterista de uma das bandas mais amadas do cenário de hardcore. Ele é autor do livro “Qual é a dele?” Que reúne alguns textos que o rockstar escreveu para sua coluna em uma publicação para adolescentes. Eu claro, também fiquei curiosa pra saber um pouco mais desse divo então preparei uma entrevista super bacana pra vocês.

Viviane Lima: Você lançou um livro chamado “Qual é a dele?”. O que te inspirou a escrever esse livro?

Ricardo di Roberto: Posso dizer que fui estimulado a escrevê-lo. Porque a convite da editora da revista Atrevida para adolescentes do público feminino, tive uma coluna por seis anos, onde falava sobre variados temas de comportamento. Com isso, foi só juntar os textos, acrescentar alguns, compilá-los e lançar o livro. A inspiração veio da minha própria vivência.

Viviane Lima: Qual foi a maior lição que você tirou do seu relacionamento anterior?

Ricardo di Roberto: Que nem sempre o que parece ser sensacional à primeira vista necessariamente é algo saudável para o seu dia-a-dia.

Viviane Lima: Você faria um livro falando sobre como lidar com as mulheres?

Ricardo di Roberto: Não tinha pensado nisso. De repente seria uma idéia boa.

Viviane Lima: Você se considera um homem ciumento?

Ricardo di Roberto: Sim. Mas com o tempo aprendi a controlar meus ciúmes. Foi uma espécie de auto-terapia. Quando era mais novo, os ciúmes me atrapalhavam em um grau muito alto. Cheguei a estragar bons relacionamentos com isso. Hoje em dia prefiro conversar e resolver com calma, com carinho.

Viviane Lima: Já ouvi por aí você dizer que as mulheres devem sim ter iniciativa. Mas e quando a iniciativa vem de uma fã, como você lida com isso?

Ricardo di Roberto: Uma fã é uma pessoa normal ao meu ver. De carne e osso, com sentimentos e tudo mais. Talvez o que possa atrapalhar em uma fã, seja um pouco o fato de ela ver o ídolo dela como algo de outro mundo, o que também não é. Essa suposta “mágica” fica apenas no palco, nas telas ou revistas. No dia-a-dia é tudo igual. Mas se a iniciativa da fã for coerente, sem deslumbre, isso acaba sendo algo dentro de uma normalidade.

Viviane Lima: Como você considera seu relacionamento com a mulherada antes e depois da fama? O que mudou?

Ricardo di Roberto: Ficou mais difícil manter um relacionamento mais longo. Não só pelo assédio, como todos pensam, mas pela inconstância de horários, viagens, distâncias percorridas e tempo fora que passamos. Mas tive meus namoros.

Viviane Lima: Três coisas que a mulherada não deve fazer quando está com você?

Ricardo di Roberto: Pensar somente nas coisas dela; dar prioridade para as baladas ou para as amigas; dar espaço para qualquer outro homem na minha frente ou nas costas.

Viviane Lima: Você está com 39 anos, com carinha de 26. Idade pra você é um problema? Como você lida com seu amadurecimento?

Ricardo di Roberto: Não é um problema, de jeito algum. Só pra quem tem preconceito com isso. Na minha opinião, problema é a cabeça de cada um, se pensar para trás, sem vontade de viver, de aproveitar, de saber curtir. O amadurecimento só me trouxe e me traz coisas boas, ainda mais porque me cuido, cuido da minha mente e do meu corpo. Minha vida fica melhor a cada ano que passa. Espero mantê-la assim, até o final.

Viviane Lima: E com a idade da mulherada você se importa?

Ricardo di Roberto: Também não. Todas as idades têm seu charme, seu valor.

Viviane Lima: Como está seu coração atualmente?

Ricardo di Roberto: Com muito amor, como sempre.

Viviane Lima: O seu relacionamento com a música é muito intenso, você pretende se aposentar?

Ricardo di Roberto: Acho difícil querer me aposentar. A não ser que encontre alguma outra paixão, tão intensa e bacana. Mas parar de tocar, nem que seja um violãozinho, uma bateria, um piano, acho quase impossível, nem que seja para brincar em casa.

Viviane Lima: Se você não fosse músico, o que você acha que seria?

Ricardo di Roberto: Não tenho certeza. Mas provavelmente seria algo que tivesse contato com pessoas, que envolvesse comunicação, criatividade, entusiasmo. Gosto muito de esportes, de viagens e das relações humanas. Talvez algo relacionado com estas coisas.

Viviane Lima: Três coisas que são muito importantes pra você?

Ricardo di Roberto: Amor, família e saúde.

Por .