Posts publicados na categoria Empoderamento

13mar 19

DANÇA DO VENTRE E A AUTOESTIMA FEMININA

Controle dos movimentos do corpo, quadril para um lado, quadril para o outro. A dança do ventre exige concentração e equilíbrio e rende uma experiência de autoestima e bem estar. A dança do ventre sempre me despertou curiosidade, até mesmo por explorar a sensualidade da mulher através de gestos e movimentos do quadril, braços e pernas. Mas até então, nunca tinha tido a oportunidade de fazer uma aula… Mais precisamente, até quinta-feira passada, quando entrei em um estúdio de dança pela primeira vez e pude aprender os passos da base da dança.

Diante de um espelho imenso, música árabe e um lenço de quadril com diversas miçangas e pedrarias coloridas, fui sendo instruída a realizar diversos passos em sequência, que exigiam muita habilidade da minha parte – já que sou bem desengonçada – e que no final me encheu de orgulho, resultando em uma vivência muito divertida. Continue lendo

28fev 19

VIDA DE JUDOCA COM A ATLETA IRATI MAFFRA

 

Conheci a Irati Maffra quando comecei a praticar jiu jitsu, na época a Cross Figthers, academia onde treino havia iniciado uma modalidade especial para mulheres. Mal sabia eu na época que a atleta de 40 anos, faixa marrom de “jiu”, é na verdade faixa preta de judô e bi campeã brasileira da modalidade.

Outro ponto surpreendente é que quando você conhece a Irati como a atleta dedicada, nem imagina que ela é também bacharel em tecnologia mecânica com licenciatura em matemática. Uma mulher de muitos talentos que teve que enfrentar o preconceito por ser mulher praticando um esporte majoritariamente masculino. “O preconceito já começa em casa. Ninguém te apoia (porque não é coisa de menina) no máximo às pessoas aceitam. Eu particularmente tive um pouco de dificuldade quando era adolescente por ser normalmente a única menina nos treinos. Além disso em família, nunca pude cogitar a possibilidade de seguir carreira na área. Acredito que se eu fosse homem poderia ter sido diferente”, ressalta. Continue lendo

Por .
20dez 18

PERPÉTUAS M.C: DEFENDENDO O EMPODERAMENTO FEMININO

 

Quando você pensa em moto clube, uma imagem geralmente vem à mente: caras com barbas e um monte de couro montando suas motocicletas.

Vamos desafiar essa imagem. Em todo Brasil, grupos de motociclistas só para mulheres se reúnem em eventos comunitários, fazem doações para instituições de caridade, circulam por todo o mundo e geralmente mostram ao que moto não é apenas “brinquedo” para meninos. Continue lendo

Por .
10dez 18

A REPRESENTATIVIDADE FEMININA NO MOTOCICLISMO

moto feminina

O motociclismo, como esporte e hobby, tem sido historicamente dominado pelos homens. Mas há um número cada vez maior de mulheres em todo o mundo voltando-se para as duas rodas como forma de diversão ou carreira.

É o caso da Eliane Miranda, 39, corretora de seguros e representante comercial também criadora junto com a amiga pilota Vivi Vieira do perfil 2blonde_riders_ focado em motociclismo que conta com 8 mil seguidores. Continue lendo

Por .
31jul 18

SERÁ QUE ME ENCAIXO NOS PADRÕES LGBTQ+?

 

Foto por: The Sun

 

Uns meses atrás estava no Twitter quando me deparei com uma digital influencer do mundo LGBTQ+, reclamando que uma outra mina estava se queixando do fato dela não pegar mulheres gordas. Fui lá ler do que se tratava, na verdade a menina postou em um grupo fechado sobre a dificuldade de ser gorda e lésbica, porque além dos padrões impostos pela sociedade ela ainda tinha que lidar com o fato de não se encaixar no padrão lésbico de ser magra, loira, etc.

De repente isso tudo virou uma grande discussão mal interpretada onde as minas que deveriam se unir, acabaram se separando ainda mais. Tenho conversado muito com um amigo gay sobre suas inseguranças, sobre como ele se sente preterido na comunidade LGBTQ+ por não fazer parte do “padrão” considerado ideal para a maioria e como isso o impede de se aproximar de alguns caras por medo de sofrer alguma rejeição. Tudo isso me fez refletir no quanto os padrões impostos pela sociedade heteronormativa já causa angústia e que nem mesmo quem se encaixa em uma das siglas LGBTQ+ se sente plenamente à salvo disso.

Por isso, resolvi conversar com alguns membros da comunidade para entender o sentimento por trás de tantas normas e como isso afetava a autoestima e sua maneira de se relacionar com o outro. Continue lendo

Por .
26mar 18

SOBRE SE SENTIR BONITA COM A PELE QUE EU TENHO

amor prórpior, autoestima, auto imagem

Me lembro da primeira estria que apareceu. Eu tinha 12 anos, estava crescendo e apesar de ser magrinha estas marcas vermelhas marcavam meus quadris, em seguida, nos joelhos e coxas. Eu morria de vergonha. Mal conseguia me olhar no espelho, muito menos colocar um biquíni. Os anos foram se passando e volta e meia, quando eu precisava colocar um shorts era um caos na minha mente. Eu sofria durante dias (sente o drama!) só de pensar em aparecer com roupa de praia na frente de outras pessoas. O medo de ser julgada era maior do que o de aproveitar um dia na piscina ou na praia.

Sempre que converso com amigas sobre autoestima e se sentir bem com o próprio corpo percebo que é um sentimento comum o de constante insatisfação com a própria pele. No meu círculo de amizades não tem nenhuma mulher plena consigo mesma. A resposta mais objetiva para isso, seria porque nós crescemos vendo nas revistas, filmes e TV mulheres perfeitas, sem celulite, estrias, com o cabelo impecável, etc. E, de forma inconsciente, queremos ser iguais a elas. Não há nada de errado em querer cuidar de si mesma, fazer um tratamento estético ou mesmo emagrecer para se sentir bem. A questão é: o que te motiva? Com isso, passamos a não aceitar nossa pele, peso, aparência. O que não devia ser natural é ficar fadada a constante insatisfação com o nosso próprio corpo.

Para começar a trilhar um caminho oposto ao que vivi até hoje, tomei uma série de atitudes que, aos poucos, tem  feito me sentir melhor com minha autoimagem e enxergar a beleza que tenho, que não tem que obrigatoriamente seguir nenhum padrão.  

Continue lendo