Comportamento

Posts publicados na categoria Comportamento

05maio 15

Medo de se envolver

pink-try

Eu nunca posto nada no estilo “diário”, deixo sempre a Vivi com os textos. Mas hoje eu vi um dilema em minha vida e decidi refletir sobre.

Algumas pessoas sofrem muito em relacionamentos e ganham um coração mais duro, começam a ficar calculistas e a manter algo apenas o tanto que não as machuque.

Eu nunca fui assim, eu sempre me entrego de corpo e alma. Quando eu gosto de alguém eu não poupo palavras e gestos para demonstrar. Logo, eu nunca entendi porque e como alguém pode conseguir “não se apaixonar” por vontade própria, quando pra mim as coisas são tão sem controle.

Então eu parei pra pensar: Quando você consegue “não se apaixonar” para não se machucar, você para pra pensar se vai machucar a outra pessoa com isso?

Alguém sempre se machuca nessa decisão. Eu tinha a ideia de que seria apenas quem se entrega… porém ouvindo Try da P!nk eu comecei a pensar como ela:

Onde há desejo, haverá uma chama
Onde há uma chama, alguém está sujeito a se queimar
Mas só porque queima não significa que você vai morrer
Você tem que se levantar e tentar, e tentar, e tentar.

E para terminar essa reflexão do dia, uma frase que ouvi ontem em uma comercial de produção da Globo:

“Aqueles que não amam estão perdidos em seus orgulhos.”

29abr 15

Só sei que nada sei

duvida

Estava eu com aquele rapaz tomando uma cerveja especial quando ele disse a seguinte frase:

“Como você sabe que não sou um amigo imaginário fruto da sua mente? Veja bem, eu venho quando você chama e você não sabe onde eu moro, ou nada sobre mim”.

Fiquei quieta encarando-o por alguns instantes quando me dei conta de que não sabia absolutamente nada sobre aquela pessoa que estava diante de mim e isso me causou um enorme desconforto.

Sempre temos a sensação de que aquele encontro não vai dar em nada, por isso ligamos o modus operandi e não nos preocupamos em sair do superficial. Percebi que reclamo muito da forma sexual como os homens me veem, mas que acabo agindo da mesma forma em muitas situações.

Construir ou não laços não depende só do outro, depende também de nós. Querer conhecer, fazer parte tem que partir de alguém. Se você percebe que a pessoa realmente quer saber como você é, naturalmente vai fazer o mesmo e ai poderão desenvolver alguma coisa, nem que seja uma amizade. Porque qualquer relacionamento não importa o gênero necessita de troca.

Por .
09fev 15

Mentalmente indisponível

Primeiramente vamos ao post que me fez querer falar um pouco mais sobre o assunto: Por que ela não responde suas mensagens? do blog Casal sem Vergonha. Coincidentemente eu estava pensando sobre isso ontem, olhando os dois lados da moeda o meu e o das pessoas com quem costumo me relacionar.

Cheguei a conclusão de que as pessoas querem conhecer gente, mas não querem se relacionar. Por exemplo, quando você dá match em uma pessoa no Tinder, o lugar onde as pessoas se mostram sempre disponíveis e muitas vezes escrevem em sua descrição para que os outros não sejam monossilábicos e realmente dar like se for querer bater um papo. Você deveria querer saber mais sobre aquela pessoa, deveria querer sair com ela e se relacionar de uma maneira que não é superficial, que vá além do sexo. Eu entendo que existam alguns fatores, como a pessoa pode ser chata, ou pode não rolar química.

Mas reparei que em 80% dos casos o problema é a indisponibilidade mental. Não damos sequer uma chance da pessoa nos conquistar, depois do segundo encontro (quando não no primeiro), já descartamos o outro como se ele fosse apenas um qualquer. Já aconteceu comigo da conversa ser boa, a ficada melhor ainda, mas a pessoa simplesmente não se interessar porque gostava de alguém ou porque não superou o antigo relacionamento. Então pra que fazer a gente perder tempo???

A resposta, pelo menos no meu caso (como pessoa também já fez isso com os outros), é que mesmo indisponíveis mentalmente para um relacionamento, paixões acontecem de forma inexplicável, sempre estamos em busca daquela pessoa que vai causar aquela ansiedade, aquele friozinho no estômago, e por imaginar que isso aconteça de forma instantânea esquecemos que para alguns sentimentos aflorarem é necessário tempo, e convivência com o outro, para descobrir nele características capazes de fazer a gente se apaixonar.

Vivemos na era do relacionamento miojo, queremos que tudo aconteça instantaneamente sem nenhum esforço. Queremos encontrar a pessoa perfeita virando a esquina, mas em um mundo onde tudo acontece rapidamente, para algumas coisas o melhor mesmo é não ter pressa.

tinder

Por Viviane Lima.

Por .
13jan 15

Móveis para decorar sua casa!

rack-retro-som

Nessa fase de decorar casa eu cai em um site que tem móveis muito lindos e maravilhosos para deixar qualquer ambiente um charme!

A loja Trekos e Cacarekos não é a mais barata, mas pra quem quer coisas diferentes e legais em casa pode ser uma boa pedida.

Confiram esse móveis apaixonantes:

estrantes-comodas-gaveteiros- estante-chiraz- rack-industrial-adendo-mesas mesa-phosphoro-black-power-fosforos gaveteiro-1-gaveta-estante

Curtiram?

12dez 14

O me atrai em um homem

atração

Um rapaz me perguntou o que me atrai em um homem…

Na hora respondi brincando, mas de todas as coisas que enumerei uma em particular era bem séria. Pra começar era não falar dos meus peitos!

Eu sou o tipo de mulher que nasceu com essa parte do corpo bem farta, e por alguma razão que desconheço alguns homens acham que elogiá-la é algo lisonjeiro. Não é.

Se você não tem intimidade, ou liberdade com a pessoa esse tipo de comentário é bastante desagradável. Existem outras coisas e formas de elogiar.

Sabe o que me atrai em um homem? A capacidade de fazer dar risada, pessoas bem humoradas tem magnetismo, porque todo mundo quer estar perto de uma pessoa que veja graça na vida.

Sabe outra coisa que me atrai em um homem? O cuidado.
Quando ele se preocupa em como foi seu dia, e se não foi bom o fato de ele querer saber como se sente e tentar fazer algo para que se sinta melhor.

Veja bem, não estou falando de beleza física, charme, nem nada disso. No fim das contas o que realmente torna uma pessoa atraente é o que ela consegue externar daquilo que tem dentro dela. Quer dizer que eu não olho a aparência? Claro que olho, é a primeira coisa que a gente vê em alguém, mas só beleza não se sustenta, é preciso ter aquele algo a mais que mantém o encanto e faz a gente querer estar perto.

Conquistar é uma arte que infelizmente nem todos dominam.

Por .
11nov 14

Separações não precisam ser traumáticas

  Bitch

Depois do meu texto desabafo sobre o meu divórcio, recebi muitas mensagens no Facebook de pessoas solidárias a “minha dor” . Primeiro porque muita gente não sabia (e ainda nem sabe) que me separei, outros só queriam os detalhes sórdidos do meu relacionamento relâmpago que fracassou. Então esse texto é justamente pra dar um basta a tudo isso, porque eu cansei de responder os “por quês” que só cabem a mim.

Em primeiro lugar eu não estou triste, chorosa ou suicida e a única dor que sinto é no joelho por ter batido ele na mesa. Segundo porque rompimentos são dolorosos sim, mas não precisam ser traumáticos.  Mas como você consegue estar tão bem?  Simples! Eu aprendi a me amar, a colocar minha felicidade em primeiro lugar e isso independe de quem está comigo. Para alguns isso pode soar extremamente insensível, mas quem me conhece a fundo sabe que o meu afeto não ultrapassa meu amor próprio e lamento se isso te incomoda.

Eu já fui o tipo de pessoa que ao terminar entrava em profunda depressão, que dormia 14 horas por dia só pra não sentir a dor da perda, e o que eu ganhei com isso? N.A.D.A. Só perdi momentos incríveis ao lado de pessoas maravilhosas.

Aprendi a não lamentar as perdas e tomei pra mim um mantra: estamos exatamente onde deveríamos estar. Para estar com alguém é preciso aprender a estar consigo mesmo, e isso implica em não se deixar anular pelas vontades do outro. O problema da maioria dos relacionamentos é a dependência que se estabelece logo no início.

Sabe, quando você se apaixona natural querer estar junto a todo momento, fazer as coisas junto, não querer desgrudar. É lindo (na teoria), com o passar do tempo um não consegue fazer absolutamente nada sem o outro e muitas vezes se sente mal por desejar querer fazer é quando a coisa toda deixa de ser saudável e o estar junto torna-se uma obrigação.

O espaço é algo que deve ser estabelecido logo de cara, porque é muito bom ficar com a pessoa que a gente está curtindo, mas melhor ainda é sentir saudade. Porque depois de sair com os amigos ambos terão histórias pra contar.

É preciso entender que existe: eu, você e nós. Porque como seres que não nasceram colocados em ninguém (desculpa aê mãe), precisamos preservar a nossa individualidade, até mesmo pra não esquecermos de quem somos. E ser mais eu não faz de mim uma pessoa menos carinhosa ou menos romântica (sério, eu sou um pote de mel).

Por .
03nov 14

De eu pra mim – Divórcio

viviane lima divorcio

Tenho 24 anos e já sou divorciada…

Havia saído de um relacionamento de quase três anos com uma pessoa o qual eu tinha amizade, e muita intimidade. Resultado de quem passa tudo isso de anos namorando. Mas havia aquele entrave de personalidades que por mais que exista sentimento não deixa a coisa evoluir como deveria.

Depois de terminar acabei me relacionando com um namorado de infância, que parecia ter a mesma personalidade que eu e os mesmos objetivos pro futuro. Com um mês de namoro resolvemos nos casar, em dois meses já estávamos compartilhando uma vida, já tínhamos um apartamento, móveis e estávamos acertando a vida financeira.

Foram cinco meses casada e sete no total. Você pode estar se perguntando: que raios passou na sua cabeça menina? 2 meses de namoro e casou?

Sim, ignorei todos os avisos de perigo dado por pessoas que tinham experiência de vida e principalmente, queriam o meu bem (como diz meu pai, sou um trator), quando coloco algo na cabeça não escuto ninguém, passo por cima e saio fazendo.

Não sei vocês, mas quando você passa por três anos dentro de um relacionamento e aí você encontra alguém que faz com que se sinta bem, você não quer passar por tudo de novo. É como se naquele momento eu pensasse que o namoro no fim das contas não era o que determinava ou não o sucesso de um relacionamento (eu realmente quis acreditar nisso, li até histórias de pessoas que se conheceram e casaram no mesmo dia, doce ilusão).

O que eu aprendi com isso?

Não se deve pular etapas! O namoro serve para que você tenha noção de quem é o outro e se pode lidar com os defeitos dessa pessoa. Pois é… ciúmes possessivo não é algo com o qual eu possa lidar. Ver uma pessoa me absorver e me fazer de centro do mundo, não é algo com o qual eu possa lidar…

Veja bem, eu posso lidar com muitas coisas. Lidava com a falta de organização, lidava com a cobrança de me deixar vencer pelo cansaço e muitas vezes ficar jogada no sofá, lidava com um filho de outro casamento. Mas lidar com acusações constantes de estar interessada em outra pessoa é algo com o qual eu não posso lidar.

Ah, mas toda mulher quer um homem que viva por ela!

Não necessariamente, quero alguém que viva apesar de mim, alguém que me veja como complemento não como um todo. Porque pra amar alguém você não tem que enxergar somente ela na sua frente. Um relacionamento onde você precisa se anular para fazer o outro feliz certamente tem algo errado.

Depois de vários episódios e cenas de ciúmes que culminaram no fim do romance, parei pra pensar sobre como teria sido o futuro e não me vi fazendo parte dele.

Se eu mudaria alguma coisa?

Sim e não, isso é algo com o qual eu ainda não consegui entrar em consenso. Por um lado eu não faria tudo isso de novo, casar, me doar, mudar tanto a minha vida em prol de estar com outra pessoa, etc. Por outro, eu não chegaria onde estou e não teria atingido um certo nível de amadurecimento sem viver essa experiência.

O que as pessoas acham Vs pro que eu ligo:

Algumas pessoas vieram me “aconselhar” ou expor suas opiniões sobre o fim do meu relacionamento (sem eu ter pedido). As pessoas expõem o que pensam como disse uma amiga, segundo suas próprias perspectivas, de acordo com aquilo que elas acreditam que deva ser, sem tentar olhar a minha ótica, as minhas expectativas. Sabe por que eu geralmente evito falar para as pessoas quando estou com problemas? Porque elas nunca vão entender.

Teve gente que veio dizer: “mas todo casal briga, quem não tem uma briguinha?”. Não foi só uma “briguinha”, e eu não terminaria um casamento onde me comprometi a passar o resto da vida, se uma simples “briguinha” fosse me fazer terminar.

Por que eu não estou acabada e morrendo de chorar?

Simples: sou o tipo de pessoa que é egoísta o suficiente pra se amar e pensar somente nos seus sentimentos. Se estou feliz isso me basta, se me sinto bem com as minhas decisões pra mim é o mais importante, porque não adianta nada tentar “segurar” mais alguns meses só pro outro ficar bem enquanto estamos sofrendo por dentro.

O que eu penso sobre casamento?

Me recuso a fazer o papel de pessoa traumatizada que nunca mais vai amar ou namorar. Mas casar? hum… No more! Meu pai falou que quem sabe daqui uns 20 anos eu não encontre alguém pra casar de novo (ele está mais traumatizado do que eu). Mas francamente farei de tudo para evitar que qualquer futuro relacionamento chegue nesse nível. Pode acontecer? Bem o Roberto Justus tem 7 casamentos então quem sou eu pra afirmar categoricamente né.

O que aprendi com tudo isso: não case!

Por .
01out 14

Pare de agir feito um babaca

Quantas vezes você não leu algo no Facebook e pensou “que desnecessário”. Somos alvos constantes de comentários maldosos, e atacamos pessoas sem perceber. Não importa o quanto você acha que conhece uma pessoa ela sempre vai se importar com o que você fala. 

Um exemplo, eu tenho um amigo que sempre que me vê faz piadas do tipo “você comeu a Vivi”, ou “mais uma foto comendo”, às vezes eu respondo e às vezes eu ignoro porque as piadas são sempre as mesmas. O que nem todo mundo sabe é que desde os 17 anos eu tenho problemas com peso, já tive bulimia e já tomei sem prescrição remédios para emagrecer que são proibidos. Atualmente estou no meu maior peso e travo uma batalha por dia comigo mesma. Cada comentário seja dele ou de parentes quando me veem e dizem “nossa engordou hein” é terrivelmente destrutivo pra mim, mesmo que eu não pareça me importar isso me afeta muito. Faz eu querer cortar os pulsos.

Quando você vai no Facebook de uma pessoa criticar algo que ela escreveu, mesmo que ela esteja errada, mesmo que não seja a mesma opinião que a sua, pense DEZ vezes antes de falar, porque cada palavra magoa, quando você vai no perfil de alguém você expõe essa pessoa e se você é do tipo que fala “quem escreve o que quer, lê o que não quer”, só posso dizer VOCÊ É UM BABACA!  Quando você brinca com um colega de trabalho falando “puts essa pessoa chegou que droga”, ou “volta pro lugar onde você estava sentada”, isso magoa. O que é brincadeira pra você pode ser doloroso pra outra pessoa.

E claro você não é vidente pra saber ou não o que incomoda o outro, mas que tal ir perguntar “fulana, se incomoda se eu brincar desse jeito com você?”. Isso é ser humano, ter compaixão, amor ao próximo. E que tal parar de falar mal da coleguinha e tentar conhecer ela melhor? Oferecer ajuda ao invés de falar da vida dela só pelo prazer da fofoca, e parar de chamar ela de rabugenta sem saber o que ela passa? Atrás de cada pessoa, existe um dono da verdade.

E mesmo você que está aí dizendo pra si mesma “eu não faço isso”, não passa de um ser humano hipócrita. Em algum momento você já falou mal de alguém, em algum momento você já brincou com algo que machucou alguém, ninguém tem as mãos limpas.

Repito: Antes de falar, pare e pense. Porque é com um ser humano que você está lidando. 

Por .
17set 14

O que queremos fazer e o que devemos fazer

pensando na vida

Como separar o que queremos fazer do que devemos fazer? Quando entramos em conflito em nossos relacionamentos, sejam eles profissionais familiares ou amorosos, sempre estamos diante de diversos caminhos, a decisão de ligar muitas vezes o foda-se e mandar todo mundo a merda  é sempre tentadora, mas sempre temos a coisa certa a fazer, racionalizar e não deixar que as emoções dominem a situação.

Sempre fui uma exímia defensora do direito de mandar um “porra mundo” de vez em quando, de simplesmente ignorar aquela vontade de ser a defensora de tudo e sempre tentar colocar panos quentes na situação. Porque temos nossos momentos de imperfeição, e sinceramente chega uma hora que ser a pessoa que sempre dá o braço a torcer enche o saco.

“Seja madura”, “seja superior”, falar é fácil olhando de fora, a situação dos outros sempre parece infinitamente mais fácil de resolver. “Se coloca no meu lugar” dá vontade de dizer.  Vem pra dentro da minha casa, do meu trabalho, vem viver minha vida já que é tão fácil.

No dia dos pais, deixei meu marido sozinho (sim, sou nova e já casei) com o filho de um ano e meio que estava chatinho por causa da gripe. Eu passei a semana anterior de férias e enfiada na casa dos meus pais, e no dia dos pais eu voltei pra lá depois de ter almoçado com eles. Todo mundo ficou se perguntando por que eu não fui com meu marido levar a criança, porque não fiquei ao lado dele já que ele não tem os pais presentes. Eu respondi “porque eu cansei de me sacrificar pelos outros”. Me arrependi amargamente segundos depois de ter dito.

Relacionamentos são complicados, e todos eles exigem uma dose de sacrifício. Seja na amizade mesmo quando você reclama que só você que dá atenção, só você sente falta. No trabalho quando se é obrigado a engolir alguns sapos. E principalmente na vida a dois. Quando escolhemos estar com alguém, temos que esquecer que não é só a nossa vontade que deve ser levada em consideração, relacionamento também é renúncia. Mas não aquela renúncia que faz você se arrepender e jogar na cara da pessoa o resto da vida o que fez por ela, aquela renúncia do tipo que você faz porque sabe que no fim das contas fez a escolha certa.

Por .
05set 14

Quando um probleminha vira um problemão

Vocês discutem por uma coisa boba, se chateiam e dizem que passou.

Chegam em casa e cada um vai para um lado sem dizer uma palavra. Ela vai tomar banho pra esvaziar a cabeça e…. tranca a porta do banheiro.

Ele vai pra frente do computador e….. fecha a porta.

Pronto, a discussão começa novamente!

Quando existe aquela tensão no ar, qualquer gesto pode ser interpretado de uma forma totalmente equivocada, a porta do banheiro fechada só porque ela precisava se esvaziar e pensar um pouco (não na briga mas na vida) pra ele simbolizou que ela não estava aberta ao diálogo e que na verdade aquilo não tinha sido resolvido.

A porta que ele fechou, pra ela deu a entender que na verdade ele precisava ficar um pouco sozinho (normal), só que não! Se você não quebra o silêncio após o desentendimento qualquer gesto pode resultar em uma nova briga. Porque infelizmente temos a capacidade de achar que o mundo gira em torno de nós e achar que tudo que os outros fazem é propositalmente para nos atingir.

Se você discutiu com alguém, e minutos depois essa pessoa postou algo no Facebook, não quer dizer necessariamente que ela fez isso pensando em te atingir. Pessoas costumam ter mais de um problema e nem todo problema é seu 😉

Por .